Na sutileza das entrelinhas, se a reflexão for atenta, a ideia de que “o mal deve ser cortado pela raiz” COMUM – como nos diz um ditado popular – revela o poder e a força das raízes. Raiz é base, sustenta, ajuda a nutrir e participa da manutenção do organismo vivo, onde nascem folhas, flores e frutos. A nós, nos remonta às origens, nos fazendo lembrar que também temos nossas raízes. Raízes em comum.

Não sem razão a escolha do nome desta exposição se mostra forte e coletiva, abraçando temas que perpassam pela herança e ancestralidade afro-brasileira, raiz comum a todas e todos nós, pela raça e pela cor, pela invisibilidade, pelos desafios, pelas escolhas reduzidas, pelos direitos humanos, pela favela, pelos corpos negros, pela família, educação e cultura, pela desconstrução, pelas misérias reais, como nos lembra Carolina Maria de Jesus, e pela felicidade.

Aproximando, ocupando espaços e celebrando todas as formas e suportes de expressão, encontram-se aqui reunidas mais de 17 artistas, pesquisadoras e pesquisadores, pensadoras e pensadores, intelectuais e mentes criativas que se permitem libertar e pensar sobre racismo, preconceito, violência, gênero, religiosidade, ancestralidade, afeto e esperanças, mesmo diante de uma realidade que oprime e extermina a população negra.

As obras dialogam com as existências, com o cotidiano, com a vida social, cultural e religiosa dessas mentes, corpos e corações criativos, tocando aquela ou aquele que observa, que assiste, que sente, ora pela sutileza, ora pela beleza, ora pela tristeza, ora pela dureza.

E duras não se tornam as raízes? Fortalecer raízes para uma árvore bem estruturada é o que idealizamos com esta exposição e também o que idealizamos e sonhamos para esta nação. Um povo sem o conhecimento de sua história, origem e cultura é como uma árvore sem raízes (Marcus Garvey, ativista jamaicano). É tempo de (re)construir as nossas. 

E não andamos sozinhas, não estamos sozinhas, estamos atentas, fortes e não tememos a morte, pelo contrário marchamos juntas cultivando um sonho profundamente enraizado de que seremos capazes de trabalhar, orar e lutar juntas. Sigamos.

 

Artistas participantes: Ágatha Fiuza, Átila Bee, Clementino Junior, Coletivo Negras[fotos]grafias: {Adriana Medeiros - Ana Paula Alves Ribeiro - Aparecida Silva - Bárbara Copque - Débora Santana - Tetê Silva - Paula Eliane - Simone Ricco - Thaís Alvarenga} , Daniel Santos, Dayse Gomis, Hully Roque, Jean Araújo, Jefferson Medeiros, Jennifer Reis, Mariana Maia, Ricardo Sacih, Thiago Ortiz, Tiago Sant'Ana, Vitor Vanes, Xilopretura, Yhuri Cruz.

 

Agradecimentos: Isabela Godoi, Bruna Andrade dos Santos, Cineclube Atlântico Negro, Cláudia Maria de Farias, Dandara Santos, Erika Cândido, Elisa de Castro, Gleysser Ferreira, Jaqueline Gomes, Jefferson Vasconcelos, Joel Ferreira, Juciara Awó, Leon Reis, Luana Ará, Luandeh Chagas, Matheus Valadão, Mariane Duarte, Marcelle Sant’Anna, Mariana Egmídio, Maíra Oliveira, Paula Andréa Lucas Machado, Uilton Oliveira.

www.facebook.com/raizcomum

AO LONGO DA LINHA DO TREM

A Exposição "Ao longo da linha do trem" ocupou o SESC Engenho de Dentro, durante o período 29/05/19 a 12/08/19 e exibiu uma releitura de uma outra obra, que o artista Carlos Contente fez em 2003 para expôr na Estação Central do Brasil, junto com outros artistas em um evento que ocupava o espaço de entrada da Central.
Consistia de uma longa sequência de desenhos narrando a luta pela sobrevivência e as aventuras amorosas, de um personagem popular.

O trabalho foi em parte destruído por anônimos que pareciam não concordar com o desenho dos corpos femininos apresentados. Ironicamente logo na saída da estação, a banca de jornal nos impunha, impávidos e inquestionáveis os seus cânones de imagem do feminino – vulgares e coisificados, por sinal. E apesar do contratempo, o encontro com o diverso e sua imprevisibilidade são os afetos que parecem interessar ao artista, tanto no que se refere a linha do desenho como na linha do trem.

Curadoria Jacqueline Melo

www.facebook.com/events/sesc-engenho-de-dentro/ao-longo-da-linha-do-trem/2310266822363926/

COSME & DAMIÃO

Seguindo a tradição e em parceria com a Casa da Escada Colorida, o Dia de Glória "Cosme & Damião" fez uma doce convocatória de amor e afeto para que qualquer criativo enviasse a sua arte [desenho, ilustração ou frase] para ilustrar os saquinhos de doces enchendo-os de guloseimas e arte. 

Essa DOCE CONVOCATÓRIA, contou com o talento de 26 artistas, R$ 950,00 arrecadados e a distribuição de mais de 500 sacos de doces no dia 27 de setembro de 2019, uma alegria para todxs que participaram.

Muito obrigada pelo carinho e confira nas imagens como foi e até a próxima!

 

Artistas participantes: Ade Evaristo, Adriana Linhares, Alex Marinho, Ana Klaus, Bete Esteves, Carlos Contente, Camila Braga, Clara Machado, Corua, Daniela Rodrigues, Eduardo Mariz, Felipe Veríssimo, Hugo Houayek, Julia Arbex, Letícia Capella, Lívia Frias, Marcelo Oliveira, Mariah Santos, Mônica Coster Ponte, Paloma Buquer, Pedro Patreniere, Ricardo Sacih, Rodrigo Pinheiro, Rosane Soares, Vitor Vanees, Viviane Teixeira.

 

Agradecimento: Ade Evaristo, Ana Klaus, Aline Marins, Alice da Palma, Alex Marinho, Bia Petrus, Bruno Girardi, Casa da Escada Colorida, Café Colorido, Leila Oliva, Leonardo Antan, Marcelo Oliveira, Mariana Genescá, Paloma Buquer, TVa2 Produções e Rachel Balassiano.

www.casadaescadacolorida.com

www.facebook.com/diadegloria www.instagram.com/diadegloria7 

A exposição "Inundação" idealizada pela artista Bete Esteves, contou com a curadoria de Marcelo Campos e a participação de artistas contemporâneos que interviram e dialogaram trazendo obras e expondo-as junto e entre a coleção do Museu Casa do Pontal que conta com um acervo de mais de 8 mil peças das variadas culturas rurais e urbanos do pais e que estava fechado por conta das chuvas ocorridas no início do ano 2019.

O ponto de partida da exposição foi de refletir sobre esses episódios "é a lama, é a lama". Mistura pegajosa – matéria orgânica e água –, a materialidade recebe destaque nessa ativação tanto pelo fato de a chuva ter levado terra molhada e pastosa para dentro das galerias como por ser a terracota a matéria prima presente em parte expressiva da arte popular brasileira.
Também destacamos a presença da lama na mitologia de várias culturas como princípio
gerador de vida. Assim, queremos renascer.

Artistas participantes: Adriano, Agrippina R. Manhattan, Ana Miguel, Anis Aura Yaguar, Ayrson Heráclito, Bárbara Copque, Bete Esteves, Brígida Baltar, Cadu, Ciça, Cristina Salgado, Cypriano, Dadinho, Daniel Murgel, Dartiel Santiso, Efrain Almeida, Elizabeth Franco, [Experiências Indiciais com Ana Alves, Carolina Passaroni, Luiza Coimbra, Manu Neves], Galdino, Gustavo Torres, Iah Bahia, Inês de Araújo, João Hisse, Jonas Arrabal, José Otávio, José Rufino, Kammal João, Kátia Maciel, Lívia Flores, Lucas Bevilaqua, Luiz Conrado, Lula Buarque de Hollanda, Manoel Galdino, Manoel Graciano, Manuel Vitalino, Martha Niklaus, Max Willa Morais, Mayara Velozo, Mestre Vitalino, Millena Lízia, Mulambo, Nadam Guerra, Nhô Cabloco, Nino, Raquel Versieux, Renato Bezerra de Mello, Robnei Bonifácio, TheoS, Thiago Ortiz, Tiago Sant'Anna, Tomaz Bevilaqua, Véio, Victor Oliveira, Vitalino, Yhuri Cruz, Zé Alves, Zé Carlos Garcia, Zé Cabloco, Zé Rodrigues e Zelinho.

Ficha Técnica

 

IDEALIZAÇÃO Bete Esteves 

CURADORIA Marcelo Campos e Grupo de pesquisa Arte e Itinerários culturais [Rafael Tenius - Lua Costa - Maria Mexias - Rudolf Kurz - Maria Abdulatif - Cypriano] 

PRODUÇÃO Jacqueline Melo 

IDENTIDADE VISUAL Complexo D Bete Esteves e Lucas Bevilacqua 

MONTAGEM KBedim - Rogério Cândido 

RESIDÊNCIA ARTÍSTICA Inês de Araújo e Projeto Experiências indiciais [Ana Alves - Carolina Passaroni - Luiza Coimbra - Manu Neves] 

AGRADECIMENTOS Museu Casa do Pontal - Portas Vilaseca Galeria - Simone Cadinelli Arte Contemporânea - Athena Galeria

“Eu vim me apresentar - Encontros, festas e celebrações”

Em parceria com o Museu Bispo do Rosário Arte Contemporânea, a exposição “Eu vim me apresentar - Encontros, festas e celebrações” coloca em diálogo a obra do artista que dá nome a instituição com o universo festivo das manifestações populares brasileiras, em especial, o desfile das escolas de samba. O ponto de partida desse encontro é o desfile realizado pela Acadêmicos do Cubango em 2018, que homenageou o artista na Marquês de Sapucaí.

O enredo batizado de “O rei que bordou o mundo”, assinado por Gabriel Haddad e Leonardo Bora, promoveu uma releitura poética do imaginário de Arthur Bispo do Rosário, resultando em desenhos, figurinos e alegorias. Essas imagens potentes do cortejo carnavalesco se reencontram com a sua inspiração inicial, as obras vibrantes de Bispo do Rosário, que por sua vez, beberam em tantas outras festividades. Desde modo, a exposição promove um diálogo entre essas múltiplas potências e linguagens, celebrando seus contatos e cruzamentos.

Estará em cena todo o processo criativo do desfile carnavalesco, desde os primeiros esboços de fantasias, adereços e fantasias de alas e destaques, além de fotografias do desfile realizadas por Wigder Frota e um ensaio fotográfico realizado por Talita Teixeira.

A mostra “Eu vim me apresentar” encerra um ciclo de outras exposições que também tiveram o material sobre o desfile de carnaval como tema. Primeiro, “Chegança: Bispo do Rosário na Acadêmicos da Cubango”, foi realizada entre outubro a janeiro no Museu da História e da Cultura Afro-brasileira, focando na herança africana que permeia a vida de Bispo do Rosário e o universo das agremiações cariocas. Depois, “O rei que bordou o mundo: poéticas carnavalescas na Acadêmicos do Cubango” ocupou o Centro Municipal Hélio Oiticica, entre fevereiro e março, trazendo uma visão mais lúdica do processo criativo do desfile.

https://www.facebook.com/sitecarnavalize/

A exposição "O rei que bordou o mundo: poéticas carnavalescas da Acadêmicos do Cubango" revela o processo criativo de Leonardo Bora e Gabriel Haddad na homenagem a Bispo do Rosário no desfile da Acadêmicos da Cubango em 2018. Estará presente na mostra o grande manto de apresentação de Bispo presente na última alegoria da escola.

Artur Bispo, viveu durante 50 anos num manicômio diagnosticado com esquizofrenia e alí permaneceu até falecer em 1989. Parte de sua obra, foi reproduzida nas alegorias e fantasias criadas pelos carnavalescos para o carnaval da Acadêmicos do Cubango.

https://www.facebook.com/sitecarnavalize/

A mostra “Uma delirante celebração carnavalesca: o legado de Rosa Magalhães” em cartaz (fev./abr.2019) no Centro Municipal de Arte Hélio Oiticica/RJ, reune diversos artistas prestando uma homenagem ao importante legado da carnavalesca Rosa Magalhães. Os convidados realizaram diversas releituras do universo da artista, marcando a importância e reverberação do trabalho da carnavalesca no universo folião por várias gerações. Além de nomes da festa carioca, são convidados ainda artistas do universo contemporâneo das artes visuais, que dialogam com a homenageada.

[Artistas do carnaval]

Alessandra Cadore, André Rodrigues; André Wonder; Andrea Vieira; Antônio Vieira; Bill Oliveira; Divina Luján; Fábio de Mello; Fernando Pamplona; Gabriel Haddad; Guilherme Camilo; Jack Vasconcelos; João Vitor Araújo; Jorge Silveira; Júlia Tavares; Lícia Lacerda; Leonardo Bora; Mauro Leite; Penha Vieira, Rafael Gonçalves; Thiago Avis; Thiago Santos; Wigder Frota

[Artistas plásticos]

Cláudia Laux ; Eduardo Fonseca; George Magaraia; Herbert de Paz; Leila Danziger; Maria Andrea Tujillo; Osvaldo Carvalho; Roberta Paiva; Sérgio Rodrigues; Talita Teixeira, Thiago Ortiz

https://www.facebook.com/sitecarnavalize/

“Estética da Comicidade” é uma exposição que traz para o espectador mais de 260 trabalhos inéditos, criados entre 2013 e 2016, do artista visual Carlos Contente. A série de desenhos em grafite sobre papel aquarela contam uma estória ficcional, estando dividida em três volumes que narra a saga do austríaco Adolfo Himmler, um assumido neonazista europeu que vem para o Brasil e descobre que pode fazer “turismo de atrocidade” com seu anfitrião, o guia turístico Claudinho, autêntico trabalhador carioca, sempre descontraído, até nas situações limites. A história é uma crítica à face desumana e autoritária que assume o Capital quando tem que enfrentar as “crises” que ele mesmo criam, ou quando lida com a exclusão social. A exposição ocupou de setembro a outubro de 2018 o Espaço de Fotografia Paulo Duque Estrada na UFF/RJ e teve a curadoria de Jacqueline Melo.

www.instagram.com/contentestudio

A/FRONT/A é uma exposição coletiva, composta por uma série de 34 obras de 18 artistas, residentes nos estados do Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais e Santa Catarina, além de uma artista colombiana que foi realizada entre os meses de setembro e outubro de 2018 na Galeria Espaço Piloto da Universidade de Brasília - UnB.

Nesta proposta de exposição assume-se uma atitude ativista. Os artistas e a curadoria manifestam o desejo de diálogo estético e político ao se apropriar de signos geradores de embates, incertezas e estranhamentos, criando um espaço híbrido em linguagens e processos a encontrar com o público. Muitas das imagens nesse nosso campo de batalha são como slogans, com poucas camadas de signos a percorrer, imprimindo uma imediatez à representação. O que se vê é o que é. Outras imagens, no entanto, requerem olhar mais demorado e atento, porque fazem alusões mais discretas e por vezes surpreendentes. Alguns objetos são cortantes, de destruição, outros delicados e convidativos ao toque. 

www.facebook.com/expoafronta

www.instagram.com/expoafronta

"Chegança - Bispo do Rosário na Acadêmicos do Cubango" é uma exposição assinada pelo curador e escritor Leonardo Antan, que ficou em cartaz de outubro 2018 a janeiro de 2019, no Museu da História e da Cultura Afro-brasileira. A mostra levou para o público, fotografias, obras e fantasias que compuseram o carnaval do Grêmio Recreativo Escola de Samba Acadêmicos da Cubango em 2018 e contou ainda com a parceria do Museu do Bispo do Rosário. Bispo e Cubango seguem resistindo e bordando novos mundos e novos caminhos.

O "Dia de Glória" = arte+urbano+afeto. 

Busca evidenciar, pela arte, o lugar de resistência e o espaço de apropriação e ocupação da cidade,transformações que já habitam em potência a região e o desejo de seus moradores e passantes.​Repensando o espaço urbano, nossos gestos e os movimentos na cidade. Desnaturalizando o cotidiano, propomos uma nova coreografia dos corpos na cidade, desviante, pela arte e contra uma bio-política de controle (contra a disciplinarização dos corpos, dos gestos e modos de apresentação). Os Dias De Glória abre as portas da Casa de Estudos Urbanos para a comunidade. Provoca, Propõem, Interage e Ativa as pessoas da redondeza e passantes a partir de intervenções artísticas na Rua da Glória.

::: As proposições da edição 2017.2 foram feitas por :::

Alice da Palma, Aline Marins, Ana Elisa Lidizia, Bia Petrus, Bia Salomão, Jacqueline Melo & Leonardo Antan.

São métodos que não se aplicam, se praticam. Métodos em processo de criação, coerentes com a processualidade do objeto (a Glória, a cidade). Métodos que se inventam (e reinventam) enquanto se fazem. O processo é o norte.

 

Oh, Glória!

www.instagram.com/diadegloria7

www.facebook.com/diadeglorianorio

Limiares foi o resultado do trabalho realizado em dois cursos concomitantes voltados para a formação de artistas e curadores. Do curso Imersões Poéticas, doze artistas foram convidadas a participar da exposição, enquanto no curso Imersões Curatoriais, vinte e três alunas e alunos refletiram sobre a prática curatorial construindo um projeto de exposição.

Gerou-se assim, entre fluxos e contra fluxos, esta mostra que ocupa a Praça dos Arcos no histórico Paço Imperial.

[ A R T I S T A S ]

Anna Paola Protásio, Bete Esteves, Bia Martins, Cláudia Laux, Denise Calasans, Duda Las Casas,
María Andrea Trujillo Mainieri, Maria Fernanda Lucena, Mercedes Lachmann, Roberta Paiva,
Stella Margarita e Stella Mariz.

[ O R I E N T A D O R A S ( E S ) ]

Cadu, Cristina de Pádula, Efrain Almeida, Fernando Leite, Ileana Pradilla, Leila Scaf, Marcelo Campos
Marisa Flórido e Tania Queiroz.

www.facebook.com/escolasemsitio

[ C U R A D O R A S ( E S ) ]

Alice da Palma, Aline Beatriz de Souza, Aline Marins, Ana Elisa Lidizia, Beatriz Lopes, Bia Petrus, Bia Salomão, Débora Seger, Diana Magalhães, Ingrid Illner, Ingryd Calazans Affonso, Jacqueline Melo, Joana Martins de Vasconcelos, Joyce Delfim, Leandro Brito de Matos, Leonardo Antan, Matheus Busetto, Matheus Passareli, Mayara Soeiro, Pablo Rogerio de Las Cuevas Duarte, Pedro Ambrosoli, Paula Rodrigues Magalhães Leite e Thiago da Silva Tavares.

TRIO Bienal  - Bienal Internacional do Tridimensional, é uma mostra internacional de arte contemporânea em torno do tridimensional – escultura, instalações, objeto e seus campos  expandidos - pintura, fotografia, desenho, vídeo etc.. além de contar com mais de 150 artistas, a mostra ocupou diversas instituições culturais da cidade do Rio de Janeiro como: CCBB, Museu Nacional de Belas Artes, Museu Histórico Nacional, Casa França Brasil, Museu Castro Maya, IED Rio, Memorial Getúlio Vargas, FGV, entre outros locais públicos por toda a cidade, no período de 5 de setembro à 26 de novembro de 2015.

www.facebook.com/TRIO-Bienal-793374474078824