Mini Bio

Jacqueline Melo

Nascida no Rio de Janeiro, RJ

Mora e trabalha na cidade maravilhosa.

Graduanda em História da Arte pela EBA/UFRJ, atua desde 2007 na área de desenvolvimento e produção de projetos culturais, esportivos e sociais. Presta serviços para diversas produtoras, incluindo a TVa2 Produções e se dedica também a projetos independentes de espetáculos teatrais e a curadoria de exposições de artes visuais.
No cinema em 2019 atuou como assistente de produção executiva do longa-documentário "Espero tua (re)volta" da diretora Eliza Capai; produziu o Fashion Film “DIVINAS” da diretora Vitoria de Mello Franco (2018), o curta-metragem “Banco Azul” da diretora Sabine Mendes (2017); Atuou como assistente de produção executiva no média-metragem “Resistência” da diretora Eliza Capai (2017); atuou na equipe de produção dos longas “Olympia 2016” (2016), “O Estopim” (2014) e “Armados” (2012) ambos com direção e roteiro de Rodrigo Mac Niven. Também é curadora e organizadora (sede RJ) do FICNOVA - Festival Internacional de Cinema da Não Violência Ativa (2018), festival bianual que ocorre durante o mês de outubro simultaneamente nos países sedes: Argentina, Bolívia, Brasil, Canadá, Espanha, Guatemala, Itália, México e Mauritânea.
Nas artes visuais assina a produção da exposição "Inundação" (jul./set.19) idealizada pela artista Bete Esteves, contou com a curadoria de Marcelo Campos e a participação de artistas contemporâneos que interviram e dialogaram trazendo obras e expondo-as junto e entre a coleção do Museu Casa do Pontal que conta com um acervo de mais de 8 mil peças das variadas culturas rurais e urbanos do pais e que estava fechado por conta das chuvas ocorridas no início do ano 2019. Assina a produção  executiva das exposições do curador Leonardo Antan "Eu Vim me Apresentar: Encontros, Festas e Celebrações" no Museu Bispo do Rosário Arte Contemporânea/RJ (abr./jul.2019); “O Rei que Bordou o Mundo: imagens poéticas do processo criativo do carnaval da Cubango” no Centro Municipal de Arte Hélio Oiticica/RJ (fev./mar.2019); “Chegança – Bispo do Rosário na Acadêmicos do Cubango” no Museu da Escravidão e Liberdade/RJ (out./jan. 2019); “Uma Delirante Celebração Carnavalesca: O Legado de Rosa Magalhães” (fev./abr.2019) no Centro Municipal de Arte Hélio Oiticica/RJ;  Como curadora independente, assina a curadoria conjuntamente com Bruna Cruz e Carolina Cambará da exposição "Raiz Comum" (nov.19/jan.20) no Centro Cultural Municipal Laurinda Santos Lobo em Santa Teresa/RJ; assina a curadoria da exposição "Ao Longo da Linha do Trem" no SESC Engenho de Dentro (mai./ago.2019) e “Estética da Comicidade” no Espaço UFF de Fotografia Paulo Duque Estrada (set./out.2018) ambas, mostras individuais do artista Carlos Contente e da exposição coletiva “A/FRONT/A” na Galeria Espaço Piloto da Universidade de Brasília - UnB (set/out. 2018) em parceria com a curadora Ana Elisa Lidizia; Desde de 2017 faz parte da equipe de curadores do "Dia de Glória" que atua na ativação e intervenção artística-urbana-afetiva no bairro da Glória/RJ; E assina também a curadoria da exposição “Limiares” (2017) exposição coletiva do curso Imersões Curatoriais na Casa França Brasil e Paço Imperial; Participa do “Biombo Arte Móvel” dentro do evento do Sopa de Entulho no Sesc Madureira/RJ em 2016; Em 2015 produziu a “1ª Trio Bienal – Bienal Tridimensional Internacional do Rio” projeto de Alexandre Murucci e curadoria de Marcos Lontra  que ocupou diversos espaços culturais como CCBB/RJ, Museu Histórico Nacional, entre outros.
No esporte, produziu, em 2015 e 2016, a regata de barcos movidos à energia solar “Desafio Solar Brasil da UFRJ” organizada pela UFRJ e com patrocínio da ENEL. No teatro, produziu os espetáculos “Lapianas – Um Caso de Amor com a Lapa” (2007-2008) e “Realidade Virtual” (2009) ambas com direção de Cláudio Mendes e produzidas pela produtora J. R. Mac Niven.

© 2018 por JAC